oe citronela java 10 ml

Nome científico: Cymbopogon winterianus

Origem: Brasil

Partes: Folhas

Método: Destilação à vapor

Agricultura: Convencional

R$ 29,00

15 em estoque

REF: 434. Categorias: , .

Product Description

Repelente de insetos (pernilongos), atuando também como um anti-bacteriano, anti-inflamatório e óleo refrescante.

Um capim multi-uso, que vai desde seu uso como repelente (baratas, pulgas etc), até em pragas agrícolas, chulé, caspa e dores.


A citronela é um capim originário da Ásia e hoje cultivado mundialmente devido ao interesse pela ação repelente de seu óleo essencial.
Existem duas espécies principais das quais se obtém o óleo, a citronela de Java (Cymbopogon winterianus) mais rica em citronelal (32-45%) e a citronela do Ceilão (C. nardus), rica em geraniol (18-20%), esta última mais empregada na perfumaria. No Brasil, praticamente só se encontra em comércio o óleo da citronela de Java por conter mais citronelal, componente responsável pela sua ação repelente.
Os principais componentes do óleo de citronela, citronelol e citronelal mostraram em estudos científicos possuir ação analgésica1,2 e antiinflamatória3 útil no alívio de dores diversas.
Como repelente, o óleo de citronela não é eficaz só contra mosquitos (como o da dengue), mas também apresenta resultados contra baratas6, abelhas9 e carrapatos7 segundo estudos. Uma solução contendo 4% de óleo de citronela, aplicada estrategicamente a cada sete dias, controlou a infestação de carrapatos em bovinos de forma tão eficaz quanto o carrapaticida amitraz7. Diluído em xampus (3%) ou na água do banho (10 gotas por balde d’água) também tem dado resultados muito bons no controle de pulgas. A mesma água pode ser usada para lavar canis e áreas de infestação. Associado ao tea tree é ainda melhor.
Foi observado que difusores de ambiente contendo óleo essencial de citronela são mais eficazes como repelentes (68% de eficácia) que velas de citronela (14%)12. Curiosamente, o uso do óleo de palmarosa (C. martinii) rico em geraniol, um capim parente da citronela, conseguiu em difusores repelência superior de 97%11.
Em loções de citronela a 10%, a associação de 5% de vanilina aumentou o tempo de repelência e eficácia do óleo essencial em quase 5 horas12.
O óleo de citronela tem apresentado resultados interessantes no controle de pragas agrícolas. Por exemplo, ele proporcionou 100% de controle da bactéria Ralstonia Solanacearum em mudas de bananeiras8. Esta bactéria é associada à graves danos a batatas, morangos, tomates e outras plantas. Também apresenta resultado em fungos como o mofo cinzento (Botrytis cinerea) do morangueiro10.
Outra observação interessante é que o citronelal da citronela possui potencial inibidor da germinação e enraizamento de várias plantas4, o que se bem estudado, pode ser muito útil no desenvolvimento de fitocidas naturais para o controle de ervas daninhas em plantações orgânicas.
O óleo de citronela também é muito útil no tratamento do chulé. O mau cheiro nos pés geralmente é derivado do ácido isovalérico produzido a partir do suor da pele por bactérias (S. epidermidis e B. subtilis). Os componentes citral, citronelal e geraniol mostraram-se potentes inibidores da formação deste ácido, combatendo assim o mau cheiro nos pés5. O óleo de citronela rico nestes compostos pode ser empregado puro ou diluído a 3% em loção alcoólica ou gel.
Em bactérias e fungos, a citronela mostrou potente ação antimicrobiana13, podendo assim ter um interessante uso como anti-séptico, antimicótico (micoses de pele e unhas) e desinfetante (em banheiros e canis).

Textos: Fabian Laszlo
Publicado no 4o Jornal de Aromatologia da Laszlo:http://www.laszlo.ind.br/campanhas/JORNAL_LASZLO_4_JUNHO_2013_versao_web.pdf

 

ÓLEO ESSENCIAL DE CITRONELA PARA MICOSES CUTÂNEAS

As micoses cutâneas são infecções provocadas por fungos, e representam uma das queixas de maior prevalência realizada nos consultórios dermatológicos de todo o mundo.

O problema que também é conhecido como tinea ou dermatofitose, consiste em um caso sério de saúde pública no Brasil. A incidência desta infecção tem aumentado progressivamente nos últimos anos, particularmente em pacientes imunocomprometidos.

Um estudo realizado pela Universidade Federal da Paraíba demonstrou que o óleo essencial de citronela (Cymbopogon winterianus) é um antifúngico com potencial atuação para o controle das principais dermatofitoses que acometem humanos e também os animais.

Aplicado em testes in vitro contra Trichophyton rubrum, um tipo de fungo responsável por pelo menos 60% das micoses e com reconhecida resistência aos fármacos convencionais, o óleo essencial in natura inibiu o crescimento de todas as 16 linhagens testadas.

Para este estudo o valor da Concentração Mínima Inibitória (CIM) foi definido como a menor concentração de óleo essencial capaz de inibir 100% do crescimento fúngico. Todas as concentrações testadas (156, 312, 625 e 2500 μg/mL) conseguiram inibir fortemente o desenvolvimento de todas as cepas avaliadas, impedindo a formação do micélio (nome que se dá ao conjunto de filamentos emaranhados de um fungo), mesmo após 15 dias da aplicação.

Os fungos causadores de micoses são conhecidos como dermatófitos e caracterizam-se por se alimentar de queratina, por isso as micoses comumente aparecem em regiões específicas onde contenham pelos ou cabelos, pele, unhas, mãos e pés.

Os fungos pertencentes ao gênero Trichophyton caracterizam-se por possuírem um bom crescimento e podem penetrar na camada mais interna da pele, agravando o dano no hospedeiro. Portanto, alguns pesquisadores estão investigando o potencial dos óleos essenciais na inibição do crescimento micelial de fungos patogênicos, uma vez que a patogênese da doença depende do seu crescimento no locus da infecção.

A atuação antifúngica do óleo essencial de citronela envolve a inibição da síntese de enzimas extracelulares e o rompimento da estrutura da parede celular dos microrganismos, resultando em falta de citoplasma, dano à integridade e, finalmente, a morte do micélio.

O óleo essencial de citronela apresenta-se, portanto, como um potencial agente antifúngico para o desenvolvimento de novos medicamentos e aplicações no controle e proteção contra micoses, especialmente aquelas provocadas por fungos da espécie Trichophyton rubrum.

Este óleo é rico em aldeídos terpênicos e em concentrações elevadas pode causar irritações cutâneas. Para aplicação é obrigatório diluir esse óleo essencial, de forma que sua concentração não ultrapasse 30%. O teste de sensibilidade preliminar é sempre recomendado para aplicação.

REFERÊNCIAS:

FÁBIÁN LÁSZLÓ

BALDOUX, Dominique O grande manual da aromaterapia de Dominique Baudaux / Dominique Baudoux; [Tradução: Mayra Corrêa e Castro], Belo Horizonte: Editora Laszlo, 2018.

DA SILVA, Kenia Alves et al. Etiologia das dermatofitoses diagnosticadas em pacientes atendidos no Laboratório de Micologia Médica no Centro de Biociências da Universidade Federal de Pernambuco, entre 2014-2017. Revista Brasileira de Análises Clínicas. 2448-3877

DE OLIVEIRA PEREIRA, Fillipe et al. “Growth Inhibition and Morphological Alterations of Trichophyton Rubrum Induced by Essential oil from Cymbopogon Winterianus Jowitt Ex Bor” Brazilian journal of microbiology: [publication of the Brazilian Society for Microbiology] vol. 42,1 (2011): 233-42.

LANA, Daiane Flores Dalla et al. Dermatofitoses: agentes etiológicos, formas clínicas, terapêutica e novas perspectivas de tratamento. Clin Biomed Res. 2016;36(4):230-241

Nome científico: Cymbopogon winterianus Origem: Brasil Partes: Folhas Método: Destilação à vapor Agricultura: Orgânico Certificado

Additional Information

Peso 0.09 kg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *