ÓLEO DE PIMENTA NEGRA AJUDA A PARAR DE FUMAR

13627014_1077462938991317_5312283295255340940_n

 

Em uma pesquisa realizada em 1994[1], o desejo por cigarros foi significativamente reduzido com a inalação do óleo de pimenta negra (Piper nigrum). Houve um alívio emocional da ansiedade gerada em não fumar e uma sensação agradável no peito. O óleo de pimenta negra também teve um forte efeito relaxante no músculo liso traqueal, reduzindo a irritabilidade respiratória provocada pela fumaça do cigarro, possibilitando melhor respiração[2].

Em 2013[3], vinte voluntários do colégio Panola em Carthage (Texas/EUA), que utilizavam diariamente nicotina na forma de cigarro, rapé ou mascando tabaco, inalaram uma gota de óleo essencial de pimenta negra ou de raíz de angélica em um tecido por dois minutos quando tinham o desejo por nicotina.

Ambos os óleos de pimenta negra e angélica reduziram o nível de ansiedade pela nicotina e permitiram aos participantes ficarem um período mais longo sem utilizar o tabaco. Notou-se que o óleo essencial de pimenta reduziu o nível de desejo mais fortemente do que o de angélica, e o de angélica permitiu um atraso maior até o próximo contato com o tabaco, mostrando que a união destes dois óleos pode ser muito positiva para redução do vício por nicotina.

Forma de uso: Pingar duas gotinhas em um lenço e toda vez que sentir vontade de fumar cheiro o lenço onde pingou o óleo. Pode pingar também nas mãos e inalar da mesma forma. Outra opção é colocar 2 gotas num difusor pessoal (colar que libera aromas).

Autor:
Fábián László
Cientista Aromatólogo

Estes óleos essenciais você encontra na

pria

Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

Referências:
1. Rose JE, Behm FM. Inhalation of vapor from black pepper extract reduces smoking withdrawal symptoms. Drug Alcohol Depend. 1994 Feb;34(3):225-9.
2. Reiter M, Brandt W. Relaxant effects on tracheal and ileal smooth muscles of the guinea pig. Arzneimittelforschung. 1985;35(1A):408-14.
3. Cordell B, Buckle J. The effects of aromatherapy on nicotine craving on a U.S. campus: a small comparison study. J Altern

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *