INGESTÃO DE ERVA-MATE (Ilex paraguariensis) DIMINUI O LDL-COLESTEROL E OS MARCADORES INFLAMATÓRIOS E AUMENTA A PROTEÇÃO ANTIOXIDANTE EM INDIVÍDUOS NORMOLIPIDÊMICOS E DISLIPIDÊMICOS: EFEITO SINERGÍSTICO COM AS ESTATINAS

 

Esta pesquisa mostrou que:

1. A ingestão de erva-mate verde ou tostada por indivíduos dislipidêmicos, durante 20 e 40 dias, diminuiu a concentração sérica de colesterol total, LDLC, Não-HDL-C, relação LDL-C/HDL-C, apolipoproteína B-100 e a relação apo B/apo A-I e aumentou a concentração de HDL-C após 20 dias, porém não
alterou expressivamente os valores de triglicerídeos;
2.
A ingestão de erva-mate verde ou tostada por indivíduos normolipidêmicos, durante 20 e 40 dias, promoveu diminuição significativa na concentração sérica de LDL-C e na relação LDL-C/HDL-C. Porém, não houve variação expressiva nos valores de colesterol total, HDL-C, Não-HDL-C, triglicerídeos,
apolipoproteína B-100 ou na relação apo B/apo A-I;

3. A erva-mate tostada apresentou efeito sinergístico com as estatinas na redução da concentração sérica de LDL-C e na relação LDL-C/HDL-C, bem como na elevação dos valores de HDL-C; O consumo de infusão de erva-mate verde ou tostada aumentou a capacidade antioxidante do soro após 20 dias e a concentração da glutationa reduzida sanguínea após 40 dias nos indivíduos normolipidêmicos e dislipidêmicos. Além disso, elevou a atividade da enzima antioxidante paroxonase-1 em cerca de 50% dos participantes;

4. A ingestão de infusão de erva-mate verde ou tostada diminuiu a concentração plasmática de lipídeos oxidados (hidroperóxidos lipídicos) nos indivíduos dislipidêmicos após 20 dias de consumo, mas não promoveu modificação significativa na concentração das proteínas carboniladas (oxidadas) no plasma dos indivíduos normolipidêmicos ou dislipidêmicos;

5. A ingestão de erva-mate verde ou tostada reduziu a concentração de fibrinogênio no plasma dos indivíduos normolipidêmicos e dislipidêmicos, após 20 dias de consumo, porém não modificou a concentração sérica da PCR-us;

6. A ingestão da infusão de erva-mate concomitante ao uso das estatinas não modificou de forma significativa as concentrações dos marcadores do estresse oxidativo ou inflamatórios;

7. A erva-mate verde ou tostada foi capaz de reduzir significativamente a pressão arterial sistólica (~3 mmHg) dos participantes após 40 dias de consumo;

8. Somente os indivíduos dislipidêmicos sem uso de estatina apresentaram redução significativa do peso corporal (~0,7 kg) após 40 dias de consumo de erva-mate tostada;

9. O consumo das infusões de erva-mate por 20 e 40 dias não provocou alterações significativas, ou clinicamente relevantes, na atividade das enzimas hepáticas, na concentração sérica da creatinina, uréia e glicose ou
nos parâmetros hematológicos.

Quer ler o artigo desta pesquisa na íntegra, está neste link:

https://www.premiopemberton.com.br/docs/1edicao-3lugar.pdf

 

so_pria

Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *