CIPRESTE AZUL - O óleo que faz neurônios crescerem e paralisa a tensão muscular

1779892_715436991860582_3125147438585097835_n

“O cipreste azul (Callitris columellaris (sin.: Callitris intratropica)) é um novo óleo essencial que chega na aromaterapia armado de grande potencial terapêutico. Seu maior destaque é a sua capacidade neuroprotetora e indutora do crescimento de axônios em neurônios, útil a quem sofre de doenças associadas com a perda neural (como o Alzheimer, esclerose múltipla, avc, senilidade e outros), e sua potente ação relaxante muscular, que o torna um dos recursos mais eficientes para uso na massagem.” LZ

Indicações terapêuticas:

– Antiinflamatório útil em bursites, artrites e reumatismos +++
– Analgésico útil em tendinites, contusões e distensões musculares +++
– Relaxante muscular útil em torcicolo, tensão e nódulos musculares ++++
– Antialérgico (pele, rinite) ++
– Antifúngico e antimicrobial (bactérias e micoses) +++
– Cicatrizante útil em feridas e queimaduras +++
– Regenerador da pele e rejuvenescedor +++
– Antioxidante +++
– Anticancerígeno e antitumoral +++
– Imunoregulador em doenças auto-imunes como dermatites +++
– Reduz convulsões e frequência de ataques epilépticos
– Possui efeito hipotensor +
– Aumenta a motilidade intestinal melhorando a prisão de ventre ++
– Reduz rugas e linhas de expressão ocasionadas por tensão dos músculos faciais ++++

1010115_715440185193596_5077430084730731439_n

O cipreste azul é uma árvore nativa do norte e oeste da Austrália procurada nestas áreas para uso de sua madeira.

Seu óleo essencial difere dos óleos de ciprestes tradicionais, até por que é obtido da madeira e não das folhas. Seu processo de destilação é demorado e pode durar até 48 horas sob temperatura e pressão controladas para não destruir moléculas sensíveis como os azulenos, que dão uma magnífica cor azul a este óleo essencial. Seus principais azulenos são o guaiol e o guaiazuleno, este último possui propriedades anti-oxidantes8, anti-asmáticas5, anti-inflamatórias, anti-piréticas6 e anti-alergênicas7 similares às do camazuleno. Além disso o guaiazuleno se mostrou eficiente no tratamento da dermatite recalcitrante22.

Quando o óleo de cipreste azul é primeiramente extraído, ele possui um teor de guaiol muito alto (26-30%). O guaiol é o componente principal responsável pelo aroma do óleo de pau santo falso (Bulnesia sarmientoi). O óleo com esta porcentagem de guaiol vem a ficar sólido em temperaturas inferiores a 18ºC. Para evitar isso, o guaiol cristalizado é separado do líquido por filtração a vacum para atingir níveis próximo de 11%. O guaiol possui propriedades antioxidantes e antimicrobiais34,35,36.

A madeira e os galhos possuem em torno de 85% de a-pineno. Para reduzir os níveis de a-pineno, na destilaria as primeiras horas das partes destiladas é descartada. Ou, alternativamente a madeira picada é deixada exposta ao ar antes de ser destilada, para parte do a-pineno evaporar para a atmosfera. Este óleo modificado se torna assim uma nota de base tendo um aroma amadeirado doce, balsâmico e herbáceo. É um excelente fixador de perfumes que mistura bem com outras notas amadeiradas, cítricas e aromas “verdes”, caindo muito bem, especialmente em perfumes masculinos. Comercialmente somente se encontra para comprar o óleo sem a-pineno e com teor de guaiol reduzido.

10451024_715441941860087_6931938884963658318_n

O cipreste azul contém também em seu óleo certa quantidade eudesmol, conhecido por sua ação antiviral1 em óleos empregados por aromaterapeutas no tratamento de verrugas e herpes. Os isômeros do eudesmol também veem sendo estudados pelo seu poder de inibição de tumores e variados tipos de câncer, seja por uma ação indutora da apoptose (morte celular) ou ação anti-angiogênese9,10,11,12,13,14,15. O guaiazuleno também mostrou ter propriedades anticancerígenas, inclusive mais fortes que as do a-humuleno (presente na sucupira) na inibição proliferativa de células tumorais com ação anti-radicais livres marcante16,17.
Mas o uso mais proeminente do b-eudesmol do óleo de cipreste azul, é no sistema nervoso. Primeiro, foi observado que o b-eudesmol possui a capacidade de induzir o crescimento de neurônios, com aumento da extensão de axônios25,26, sendo uma promissora terapêutica, de acordo com estudos, no tratamento da doença de Alzheimer26 e outras patologias associadas à perda neural.

Além disso, este componente demonstrou ter uma ação antagonista à toxidade letal induzida pelos organofosfatos (tipo de agrotóxicos) pela reversão da falência neuromuscular e redução da ocorrrência de convulsões28,29. Este resultado sugere seu potencial terapêutico no controle dos ataques epilépticos e convulsões.

O isômero a-eudesmol, mostrou ter ação neuroprotetora no AVC reduzindo o tamanho da área infartada27. Devido a reduzir a inflamação neurogênica no sistema trigêmio-vascular30, responsável pela sensibilidade na face e no crânio, o a-eudesmol mostrou-se igualmente eficiente no tratamento de variados tipos de enxaquecas.

Uma planta oriental, a Atractylodes lancea, indicada na medicina tradicional chinesa no alívio de dores musculares, contém como princípio ativo para este fim, o b-eudesmol. Foi descoberto que esta molécula, presente em consideráveis proporções no cipreste azul, é um bloqueador neuromuscular despolarizante que interrompe a transmissão do impulso nervoso na junção neuromuscular ao deprimir a liberação regenerativa de acetilcolina durante estimulação repetitiva, produzindo assim, paralisia dos músculos esqueléticos18,19,20. Além disso, o b-eudesmol mostrou aumentar o efeito da succinilcolina, droga utilizada com função bloqueadora muscular, tendo este efeito sido mais forte em animais diabéticos21.
Ao inibir a contração muscular induzida pelos nervos, o b-eudesmol promove uma ação relaxante muscular muito útil na massagem no alívio e liberação de nódulos de tensão muscular ocasionados por stress ou mecanismos inflamatórios. O cipreste azul por conter boa parcela deste composto, é desta forma um excelente óleo terapêutico para massagens.

Esta sua ação relaxante neuromuscular, ainda permite ao óleo de cipreste azul inibir localmente os nervos de contraírem os músculos faciais devido a um constante estado de tensão em pessoas estressadas, o que com o passar das semanas de uso, reduz as rugas faciais e linhas de expressão.

O b-eudesmol mostrou ter também um efeito inibidor dos receptores de dopamina e seratonina (5-HT) nos intestinos, induzindo assim a um aumento da motilidade intestinal24, mostrando potencial de uso do óleo essencial de cipreste azul no tratamento da prisão de ventre.

Ainda sobre as propriedades do b-eudesmol, este componente ativo do óleo de cipreste azul apresentou ação anti-inflamatória (com inibição da IL6)2,3, ação anti-ulcerogênica3, comprovado poder antifúngico contra micoses de pele31, propriedades hipotensoras32 e hepatoprotetoras33.

Em experiências práticas de aromaterapeutas ao redor do mundo, o cipreste azul tem demonstrado resultados muito satisfatórios no tratamento via inalação de alergias respiratórias (rinites) e de pele e parece ter uma ação imunomoduladora que responde em algumas desordens auto-imunes, como as dermatites.
Aspectos emocionais:

Este óleo atua naqueles que precisam perceber sua individualidade, valorizando-se, trabalhando a aceitação própria e sua força de vontade. Igualmente é um óleo com qualidades aterradoras, que dissolve emoções de pessimismo e agressividade (raiva). O cipreste azul produz um profundo estado de relaxamento, liberando couraças de tensão ao longo de todo o corpo, aliviando assim o estresse. Seda e tranquiliza, favorecendo a introspecção e reflexão.

Usos veterinários:

O óleo de cipreste azul ainda pode ser considerado como tendo potencial inseticida devido aos componentes b-eudesmol4 e guaiol23, contra a mosca doméstica e das frutas, ácaros e outros insetos.

Contra-indicações:

Deve-se evitar seu uso em mulheres grávidas (anti-angiogênico), pessoas com paralisia do diafragma e dificuldade respiratória (devido ao efeito bloqueador muscular do óleo), hipotensos, pessoas que tenham arritmia cardíaca e glaucoma.

1384191_715439738526974_4534535779845016818_n

CROMATOGRAFIA CIPRESTE AZUL LASZLO
Constituinte Porcentagem

β –elemeno 1.1
α – guaieno 0.7
β –chamigreno 1.7
β –selineno 3.9
Cis – β –guaieno 0.5
α- selineno 3.6
α-bulneseno 0.9
Guaiazuleno 0.1
Callitrina 1.1
Callitrisina isômero 1 0.9
Callitrisina isômero 2 1.9
Columellarina 0.4
Germacranolídeo isômero 1 0.2
Germacranolídeo isômero 2 0.1
Dihidrocolumellarina 10.3
Camazuleno 0.1
Elemol 1.7
Guaiol 15.2
γ- eudesmol 10.7
β- eudesmol 7.6
Bulnesol 12.7

Textos Fabian Laszlo
Aromatólogo e pesquisador de óleos essenciais

ÓLEO EM BREVE À VENDA NA

PRIA
Sua Saúde Natural!
www.pria.com.br

Copyright©: Este artigo pode ser reproduzido em sites e blogs na internet desde que citado nome do autor e contato.

Referências:

1. Astani A, et al.Screening for antiviral activities of isolated compounds from essential oils. Evid Based Complement Alternat Med. 2011;2011:253643.
2. Seo MJ, et al. The regulatory mechanism of β-eudesmol is through the suppression of caspase-1 activation in mast cell-mediated inflammatory response. Immunopharmacol Immunotoxicol. 2011 Mar;33(1):178-85.
3. Sghaier MB et al. Anti-inflammatory and antiulcerogenic activities of leaf extracts and sesquiterpene from Teucrium ramosissimum (Lamiaceae). Immunopharmacol Immunotoxicol. 2011 Dec;33(4):656-62.
4. Chu SS et al. Insecticidal compounds from the essential oil of Chinese medicinal herb Atractylodes chinensis. Pest Manag Sci. 2011 Oct;67(10):1253-7.
5. BLAZSO S. Further results with chamazulene in the treatment of asthmatic diseases in infancy and childhood. Schweiz Med Wochenschr. 1951 Feb 3;81(5):110-1.
6. Horakova Z. Antipyretic action of chamazulene. Chekh Fiziol. 1952;1(3):195-204.
7. Mitolo Gr.Camazulene in allergic diseases. I. Experimental study on the toxic effects and histamine and serum shock in guinea pigs. Minerva Pediatr. 1954 Nov 30;6(22):918-22.
8. Dovolou E et al. Effects of guaiazulene on in vitro bovine embryo production and on mRNA transcripts related to embryo quality. Reprod Domest Anim. 2011 Oct;46(5):862-9.
9. Bomfim DS, et al. Eudesmol isomers induce caspase-mediated apoptosis in human hepatocellular carcinoma HepG2 cells. Basic Clin Pharmacol Toxicol. 2013 Nov;113(5):300-6.
10. Li Y, et al. β-Eudesmol induces JNK-dependent apoptosis through the mitochondrial pathway in HL60 cells. Phytother Res. 2013 Mar;27(3):338-43.
11. Yang H, et al. Cytotoxic terpenoids from Juglans sinensis leaves and twigs. Bioorg Med Chem Lett. 2012 Mar 1;22(5):2079-83.
12. Ma EL, et al. Beta-eudesmol suppresses tumour growth through inhibition of tumour neovascularisation and tumour cell proliferation. J Asian Nat Prod Res. 2008 Jan-Feb;10(1-2):159-67
13. Tsuneki H, et al. Antiangiogenic activity of beta-eudesmol in vitro and in vivo. Eur J Pharmacol. 2005 Apr 11;512(2-3):105-15.
14. Ben Sghaier M et al. Flavonoids and sesquiterpenes from Tecurium ramosissimum promote antiproliferation of human cancer cells and enhance antioxidant activity: a structure-activity relationship study. Environ Toxicol Pharmacol. 2011 Nov;32(3):336-48.
15. Britto AC et al. In vitro and in vivo antitumor effects of the essential oil from the leaves of Guatteria friesiana. Planta Med. 2012 Mar;78(5):409-14.
16. Vinholes J et al. Assessment of the antioxidant and antiproliferative effects of sesquiterpenic compounds in in vitro Caco-2 cell models. Food Chem. 2014 Aug 1;156:204-11.
17. Fiori J, et al. Cytotoxic activity of guaiazulene on gingival fibroblasts and the influence of light exposure on guaiazulene-induced cell death. Toxicol In Vitro. 2011 Feb;25(1):64-72.
18. Chiou LC, et al. Antagonism by beta-eudesmol of neostigmine-induced neuromuscular failure in mouse diaphragms. Eur J Pharmacol. 1992 Jun 5;216(2):199-206.
19. Kimura M et al. Mechanism of the blocking action of beta-eudesmol on the nicotinic acetylcholine receptor channel in mouse skeletal muscles. Neuropharmacology. 1991 Aug;30(8):835-41.
20. Nojima H et al. Blocking action of succinylcholine with beta-eudesmol on acetylcholine-activated channel activity at endplates of single muscle cells of adult mice. Brain Res. 1992 Mar 20;575(2):337-40.
21. Kimura M, et al. Structural components of beta-eudesmol essential for its potentiating effect on succinylcholine-induced neuromuscular blockade in mice. Biol Pharm Bull. 1994 Sep;17(9):1232-40.
22. J Matern Fetal Neonatal Med. 2013 Jan;26(2):197-200.
Guaiazulene: a new treatment option for recalcitrant diaper dermatitis in NICU patients.
23. Liu T et al. Guaiol–a naturally occurring insecticidal sesquiterpene. Nat Prod Commun. 2013 Oct;8(10):1353-4.
24. Kimura Y, Sumiyoshi M. Effects of an Atractylodes lancea rhizome extract and a volatile component β-eudesmol on gastrointestinal motility in mice. J Ethnopharmacol. 2012 May 7;141(1):530-6.
25. Obara Y, et al. Beta-eudesmol induces neurite outgrowth in rat pheochromocytoma cells accompanied by an activation of mitogen-activated protein kinase. J Pharmacol Exp Ther. 2002 Jun;301(3):803-11.
26. Obara Y. Development of anti-dementia drugs related to neurotrophic factors. Yakugaku Zasshi. 2006 Sep;126(9):747-55.
27. Asakura K et al. omega-agatoxin IVA-sensitive Ca(2+) channel blocker, alpha-eudesmol, protects against brain injury after focal ischemia in rats. Eur J Pharmacol. 2000 Apr 7;394(1):57-65.
28. Chiou LC et al. beta-Eudesmol as an antidote for intoxication from organophosphorus anticholinesterase agents. Eur J Pharmacol. 1995 Jan 13;292(2):151-6.
29. Chiou LC, et al. Chinese herb constituent beta-eudesmol alleviated the electroshock seizures in mice and electrographic seizures in rat hippocampal slices. Neurosci Lett. 1997 Aug 15;231(3):171-4.
30. Asakura K et al. alpha-eudesmol, a P/Q-type Ca(2+) channel blocker, inhibits neurogenic vasodilation and extravasation following electrical stimulation of trigeminal ganglion. Brain Res. 2000 Aug 4;873(1):94-101.
31. Aguilar-Guadarrama B, et al. Active compounds against tinea pedis dermatophytes from Ageratina pichinchensis var. bustamenta. Nat Prod Res. 2009;23(16):1559-65.
32. Arora CK, et al. Hypotensive activity of beta-eudesmol and some related sesquiterpenes. Indian J Med Res. 1967 May;55(5):463-72.
33. Kiso Y, et al. Antihepatotoxic principles of Atractylodes rhizomes. J Nat Prod. 1983 Sep-Oct;46(5):651-4.
34. Processes for obtaining (-)-guaiol and the use thereof US 7071366 B2 http://www.google.com/patents/US7071366 (visitado em outubro de 2014)
35. D. P. Grettie. Gum guaiac—A new anti-oxidant for oils and fats. July 1933, Volume 10, Issue 7, pp 126-127
36. Choudhary, Muhammad Iqbal et al. Microbial Transformation of (−)-Guaiol and Antibacterial Activity of Its Transformed Products. J. Nat. Prod., 2007, 70 (5), pp 849–852

      

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *