Alho Negro: Uma Saborosa Opção no Combate ao Estresse Oxidativo

aDSC_0931

(no próximo post vai uma receita caseira para fazer esse delicioso alho)

Alho Negro: Uma Saborosa Opção no Combate ao Estresse Oxidativo.
* Texto elaborado pela Nutricionista Gabriela Andrello Paschoal do Departamento Científico da VP Consultoria Nutricional

O alho (Allium Sativum L.) é um condimento bastante presente no cotidiano das pessoas. A sua exploração não foi apenas como especiaria, pois tem sido também utilizado para outros fins, dependendo da cultura. Ao longo dos tempos, através de vários estudos, foi-se descobrindo que o bulbo desta planta possuía também propriedades benéficas para a saúde (1). Ele possui fortes poderes antioxidantes e foi sugerido que pode prevenir doença cardiovascular; inibir a agregação plaquetária e a formação de trombos; prevenir câncer, doenças associadas ao envelhecimento cerebral, artrites e formação de catarata; rejuvenescer a pele e melhorar a circulação e os níveis de energia (2).

Estão presentes no alho compostos organosulfurados, os quais desempenham atividades benéficas à saúde como a aliina (hipotensora, hipoglicemiante), ajoeno (antiagregante plaquetário), alicina (antibiótica, antifúngica, antiviral), alil-mercaptano (hipocolesterolêmica, hipotensora, antitumoral), dialil-dissulfido (hipocolesterolêmica, antitumoral) e compostos gama-glutâmicos (antioxidante, hipocolesterolêmica, antitumoral) (3).

Um estudo chinês mostrou que, in vitro, a alicina reduziu a viabilidade de células cancerígenas gástricas, de maneira, dose e tempo-dependente, o que sugere uma diminuição na proliferação dessas células, evitando a progressão da doença, podendo ser utilizada tanto na prevenção quanto no tratamento (4). Ainda com relação ao câncer, outro estudo observou que a alicina também pode auxiliar no tratamento e prevenção do câncer de cólon, pelo mesmo efeito observado quanto a neoplasias gástricas (5).

Li e colaboradores (6) demonstraram, in vivo, outro efeito bastante interessante, pois constataram que a suplementação preventiva de alicina previne perda de memória e dificuldade de aprendizagem de indivíduos portadores de Mal de Alzheimer, fato atribuído, possivelmente, ao aumento na atividade da superóxido dismutase (SOD), redução dos níveis de malondialdeído e diminuição de alguns genes envolvidos na progressão dessa doença.

Recentemente, descobriu-se que a alicina também possui atividade antiparasitária, principalmente contra Plasmodium falciparum e Trypanosoma brucei brucei, pois inibe enzimas produzidas por esses parasitas e que causam danos à saúde dos seres humanos (7).

Em estudo argentino, Vazquez-Prietro e colaboradores (8) observaram, in vivo, que o extrato aquoso de alho pode prevenir o estresse oxidativo e o remodelamento vascular em casos de síndrome metabólica. Outra importante consequência, observada por estudo chinês, quanto à diminuição do estresse oxidativo, foi uma proteção contra hipertrofia e fibrose cardíaca. (9).

Atualmente, na gastronomia, principalmente chinesa, o alho negro está ganhando espaço. Ele é produzido a partir do envelhecimento do alho fresco em alta temperatura (70°C) e alta umidade (90%UR). Durante o processo de envelhecimento, compostos instáveis do alho fresco, incluindo a aliina, são convertidos em compostos estáveis, como a s-alil cisteína, um composto hidrossolúvel com potente efeito antioxidante, fato este que sugere que o alho negro tenha um poder antioxidante maior do que o alho fresco (10).

Young-Min Lee e colaboradores (10) identificaram que o consumo de alho negro aumentou a atividade da SOD e da glutationa peroxidase (GPx) e quando comparado ao alho fresco, seu consumo reduziu significativamente mais os níveis séricos de TBARS.

Um estudo realizado na Coreia, o qual explorou o potencial do extrato clorofórmico de alho negro no estresse oxidativo, mostrou que além de atenuar a atividade de moléculas de adesão, diminuiu a produção de fator de necrose tumoral alfa (TNF-alfa) induzida por espécies reativas de oxigênio (EROs) e inibiu a ativação de fator de transcrição kappa B (NFkB), dados estes que fornecem novas evidências da atividade anti-inflamatória deste alimento (11). Outras interessantes propriedades do alho negro são os seus efeitos hipoglicemiante e hipocosleterolêmico, como demonstrado em um estudo coreano, o qual comprovou que consumir alho negro reduz significativamente a resistência insulínica, a glicemia e o colesterol total, além de aumentar os níveis de HDL colesterol (12).

Portanto, podemos concluir que o alho negro, assim como o alho fresco, possui atividades anti-inflamatórias, antioxidante, hipoglicemiante e hipocolesterolêmica. Porém, observa-se uma potencialização desses efeitos, mostrando que o processo de envelhecimento do alho não altera as suas propriedades.

Referência Bibliográfica:
1. MENDES, P. A. P. Estudo do teor de Alicina em Alho. São Paulo: IPB, 2008. 22p. Dissertação (mestrado) – Instituto Politécnico de Bragança, 2008.
2. KALLUF, L. J. H.; PASQUA, I. C.; A Fitoterapia Funcional na modulação anti-inflamatória imunomoduladora e antienvelhecimento. In: KALLUF, L. J. H. Fitoterapia Funcional: dos Princípios Ativos à Prescrição de Fitoterápicos. 1.ed. São Paulo: VP Editora, 2008.
3. GARCIA GOMEZ, L.; SANCHEZ-MUNIZ, J. Revisión: Efectos cardiovasculares del ajo (Allium sativum). Arch Latinoam de Nutr: 50 (3): 219-229, 2000.
4. ZHANG, W.; HA, M.; GONG, Y. et al. Allicin induces apoptosis in gastric cancer cells through activation of both extrinsic and intrinsic pathways. Oncol Rep; 24(6):1585-92, 2010.
5. LI, X. H.; LI, C. Y.; XIANG, Z. G. et al. Allicin can reduce neuronal death and ameliorate the spatial memory impairment in Alzheimer’s disease models. Neurosciences (Riyadh); 15(4):237-43, 2010.
6. BAT-CHEN, W.; GOLAN, T. ; PERI, I. et al. Allicin purified from fresh garlic cloves induces apoptosis in colon cancer cells via Nrf2. Nutr Cancer; 62(7):947-57., 2010.
7. WAAG, T.; GELHAUS, C.; RATHE, J. et al. Allicin and derivates are cysteine protease inhibitors with antiparasitic activity. Bioorg Med Chem Lett.; 15;20(18):5541-3., 2010.
8. VAZQUEZ-PRIETP, M. A.; GONZÁLEZ, R. E.; RENNA, N. F. et al. Aqueous garlic extracts prevent oxidative stress and vascular remodeling in an experimental model of metabolic syndrome. J Agric Food Chem; 58(11):6630-5, 2010.
9. LIU, C.; CAO, F.; TANG, Q. Z. et al. Allicin protects against cardiac hypertrophy and fibrosis via attenuating reactive oxygen species-dependent signaling pathways. J Nutr Biochem.; 21(12):1238-50, 2010.
10. LEE, Y. M.; GWEON, O. C.; SEO, Y. J., et al. Antioxidant effect of garlic and aged black garlic in animal model of type 2 diabetes mellitus. Nutr Res Pract; 3 (2): 156-161, 2009
11. LEE, E. N.; CHOI, Y. W.; KIM, H. K. et al. Chloroform extract of aged black garlic attenuates TNF-alpha-induced ROS generation, VCAM-1 expression, NF-kappaB activation and adhesiveness for monocytes in human umbilical vein endothelial cells. Phytother Res; 2010.
12. SEO, Y. J.; GWEON, O. C.; LEE, Y. M., et al. Effect of Garlic and Aged Black Garlic on Hyperglycemia and Dyslipidemia in Animal Model of Type 2 Diabetes Mellitus. J Food Sci Nutr; 14 (1): 1-7, 2009.

FONTE: http://www.vponline.com.br/_site/newsletter.php

Texto de Débora Fantini para a Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *